Preguiça e covardia: característica dos fracos de espírito

Share on FacebookTweet about this on TwitterShare on LinkedInEmail this to someonePrint this page

De acordo com Immanuel Kant, filósofo alemão, em artigo publicado em 1784, “a preguiça e a covardia são as causas pelas quais uma tão grande parte dos homens, depois que a natureza de há muito os libertou de uma direção estranha, continuem, no entanto de bom grado menores durante toda a vida”.

De maneira mais simples, significa dizer que, tendo o homem se libertado da ignorância, ainda é capaz de nela permanecer apenas por comodidade, preguiça e covardia, o que o torna menor ainda pelo fato de ter experimentado o conhecimento e ter decidido permanecer na escuridão da ignorância.

preguica-e-covardia

Preguiça e covardia lhe parecem muito agressivos? Kant vai mais longe quando afirma que o homem é a única criatura que precisa ser verdadeiramente educada. Por que preguiça e covardia? Exatamente porque pensar por si mesmo é um exercício que exige muito esforço e completo desprendimento dos pensamentos alheios, um sacrifício que poucos estão dispostos a realizar.

Para que pensar, diriam os ignorantes no sentido literal, se os grandes pensadores fazem isso por nós? Filosofia não oferece conforto, dinheiro, bens materiais nem favorece o aparecimento na mídia.

Talvez por essa razão a maioria dos homens prefira seguir refém dos pensamentos alheios, das frases prontas, dos governantes egoístas que se valem da ignorância coletiva para manipular a ordem do judiciário, do legislativo e do próprio executivo, em benefício de uma minoria que se encanta com poder, microfones, palcos, viagens e multidões.

A ignorância faz com que o homem cultive valores equivocados, entregue sua vida e sua alma para seitas e religiões sem o menor fundamento, cultue hábitos estranhos de vida e admire heróis fabricados da noite para o dia.

E mais, pode torná-lo refém da ignorância alheia, representada por políticos inescrupulosos, profetas de araque, traficantes, bicheiros, estelionatários e outros agentes de desenvolvimento da escravidão humana que, há muito tempo, deixou de ser uma violência física assumir definitivamente a forma de violência moral.

Penso que há um tempo na vida, entre a infância e parte da vida adulta, que o empréstimo dos pensamentos alheios é quase um imperativo. Precisamos de heróis, filósofos, professores, mentores e pensadores que fundamentem a formação da nossa base moral e intelectual.

E acredite, por um bom tempo ainda, o homem será refém da aprovação alheia, afinal, perfeição e unanimidade são características difíceis de serem alcançadas nem devem ser almejadas para o nosso próprio bem e para o bem da humanidade.

A pós-modernidade facilitou o acesso à informação, mas não promoveu o conhecimento e a sabedoria. De posse do conhecimento, o mundo se abriria para infinitas possibilidades. Como afirmavam os iluministas, somente o conhecimento liberta.

Em suma, temos muita informação e pouco conhecimento e quando isso ocorre, não há questionamento, ao contrário, há o fortalecimento da passividade em relação aos desmandos de qualquer natureza e à hipocrisia que amplia ainda mais o abismo entre a ignorância coletiva e a sabedoria.

De fato, nunca fomos tão passivos em relação aos acontecimentos que nos provocam dor e indignação, algo que, em outros tempos, seria motivo de luta, revolução, renúncia, passeatas nas ruas e caras pintadas. Ter conhecimento é bem diferente de possuir informação.

O conhecimento liberta, o excesso de informação escraviza. De nada adianta a informação se não sabemos o que fazer com ela. E o que é mais triste, quando sabemos o que fazer, nos entregamos aos encantos das promessas não cumpridas, dos sorrisos dissimulados, das mentiras bem produzidas.

Com relação ao Brasil, vivemos numa sociedade que aprendeu a se contentar com o óbvio, altamente influenciada pelos discursos evasivos dos políticos, por bobagens que se multiplicam em progressão geométrica na Internet, dependente da comiseração alheia.

Por conta disso, a mente humana acaba poluída pelo excesso de propagandas sobrecarregadas de corpos, caras e bocas bem ornamentados e bem remunerados pela mídia que desembolsa milhões para tomar de assalto a nossa mente e abrir o nosso bolso, predominantemente espelhada no conceito equivocado de que ter é mais importante do que ser.

Assim sendo, não acredite em tudo que você vê, ouve ou lê nem mesmo que seja meu. Questione a tudo e a todos, inclusive a si mesmo. Quanto mais você questiona, menos escravo se torna dos pensamentos alheios. Pensar por si mesmo e aprender a discernir são as maiores armas que o ser humano pode utilizar contra todos os tipos de dominação social.

Por fim, penso que preguiça e covardia são características dos fracos de espírito, portanto, espelhe-se nos pensamentos alheios para construir o seu, mas nunca permita que eles o influenciem a ponto de fazê-lo perder a sua própria identidade.

De acordo com William James, psicólogo norte-americano, “a maior revolução da nossa geração é a descoberta de que os seres humanos, ao mudar suas atitudes mentais, podem mudar suas vidas.”

Pense nisso e seja feliz

Share on FacebookTweet about this on TwitterShare on LinkedInEmail this to someonePrint this page

Comente

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *