A Internet no meio do caminho

Share on FacebookTweet about this on TwitterShare on LinkedInEmail this to someonePrint this page

No meio do caminho tinha uma Internet. Tinha uma Internet no meio do caminho. A Internet nunca lhe deixou seguir o caminho embora você pensasse que ela era o melhor caminho. O tempo passou e a única coisa que a Internet lhe proporcionou foram algumas horas de pseudo importância e reconhecimento.

Se você ficasse em casa ou no trabalho o dia todo assistindo as reprises do Chaves, provavelmente perderia o emprego ou morreria de fome. Entretanto, se você ficasse o dia todo conectado ao Twitter, Youtube, MSN ou, então, atualizando a sua página no Facebook, provavelmente o mundo acharia normal, afinal, você estaria conectado.

Dessa forma, as pessoas curtiriam e comentariam seus posts, seguiriam o seu perfil e, por alguns instantes, você se sentiria importante. Na medida em que a sua psique fosse reconhecendo isso, provavelmente, você ficaria mais animado e, ao mesmo tempo, mais escravo das redes sociais, a exemplo de milhares de pessoas que não fazem outra coisa na vida a não ser ficar conectados.

internet

O acesso às redes sociais, de alguma forma, eleva a sensação de valor, de importância e de reconhecimento. É bem mais fácil se expor, esbravejar, postar vídeos inúteis e engraçados, fazer comentários sobre celebridades ou pessoas conhecidas quando você sabe que não será responsabilizado por isso. O anonimato é estimulante e desafiador. E, além de tudo, você está participando.

Na prática, as pessoas querem estar conectadas, querem ser valorizadas e também querem participar dos debates para demonstrar o mínimo conhecimento do assunto. No fundo, queremos que sintam a nossa falta, que as pessoas saibam que existimos, queremos fazer qualquer coisa que não nos remeta ao vazio da nossa existência. Odiamos o tédio.

Estudar, lutar por um objetivo, perseguir metas desafiadoras, ler livros interessantes, planejar um negócio, tudo isso é muito chato e, por vezes, chega a assustar. Além disso, a nossa resistência natural diz que é preciso fugir do trabalho e qual é o melhor lugar para isso? A Internet, óbvio.

De fato, quando a zona de conforto está no comando, você verifica o e-mail de meia em meia hora, entra no Facebook com mais frequência do que o necessário, deixa o MSN em estado de vigilância permanente e sua página de entrada na web é o Youtube, afinal, de dois em dois segundos sempre surge uma bobagem qualquer para a gente rir.

Por que tudo isso acontece? Não dá para esperar, afinal, quando você espera e os e-mails demoram a chegar, tem a leve sensação de que as pessoas não se importam contigo.  Na prática, quanto mais e-mails recebe, mais posts comenta e mais links compartilha, maior a sensação de pertencimento.

Tudo isso é divertido, mas raramente provoca mudanças significativas na vida. Conexão permanente é sinônimo de resistência e zona de conforto, pois há sempre um novo e-mail para ser respondido, um novo link a ser comentado, uma nova foto para curtir e o tempo passa mais rápido.

Isso faz com que você perca o foco naquilo que realmente importa e, assim, suas ideias revolucionárias são permanentemente sufocadas pela dificuldade de se autodisciplinar, mas acredite, existe vida além da Internet.

Seja sincero, para onde vai a sua vocação enquanto você está tuitando, postando, comentando, compartilhando? De que forma você utiliza a Internet para promover a sua arte? Onde você esconde as suas ideias maravilhosas? Como é que a Internet pode ajudá-lo a se destacar na multidão?

Eu também curto a Internet com bom senso e comedimento. Tenho três endereços de e-mail, site, blog e também estou no Twitter, Facebook e Linkedin. Pra variar, tenho alguns vídeos no Youtube e de vez em quando eu assisto algumas bobagens por lá para descontrair um pouco.

Há uma diferença considerável entre utilizar a Internet como fonte de conhecimento ou entretenimento saudável e se tornar um alienado. Obviamente, existem poucas pessoas que utilizam a Internet para fazer seu trabalho de maneira séria, eficiente e produtiva. Mas, e o restante?

O resto desperdiça boa parte da vida com bobagens que a Internet, mais do que qualquer outra forma de mídia social, pode proporcionar. No fim do ano, sua vida se resume a postagens no blog e outro monte de posts no Twitter, ou seja, mais um ano perdido.

Portanto, cada vez que você se sentir tentado a passar mais do que meia hora na Internet – um pouco mais se esse for o seu trabalho de fato -, lembre-se de que, enquanto você navega livremente e entrega os pontos, há sempre alguém otimizando melhor o tempo.

Acredite, é necessário uma disciplina insana para eliminar tudo o que lhe parece improdutivo. Se você se dedicar a uma causa que valha a pena com a mesma intensidade com que se dedica às redes sociais, sua vida vai mudar da água para o vinho.

Se o seu problema é a ansiedade, administre-a, pois ela é simplesmente um medo inútil e imaginário. A ansiedade não significa nada e quanto mais você se deixa dominar pelo medo, menos você visualiza as amplas possibilidades que o mundo lhe oferece.

Caso você ache tudo até aqui uma grande baboseira, daqui a dez, quinze ou vinte anos, não importa, o tempo é cruel nesse sentido, você haverá de lembrar as minhas palavras. Talvez você ainda possa mudar, talvez não. Mas algo haverá de martelar a sua cabeça: havia uma Internet no meio do caminho.

Pense nisso e seja feliz!

Share on FacebookTweet about this on TwitterShare on LinkedInEmail this to someonePrint this page

Comente

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *