Estrelas solitárias não brilham sozinhas [ 5 lições de resiliência ]

Quem são as estrelas solitárias?

O mundo corporativo é semelhante a uma constelação onde algumas estrelas brilham mais do que outras. A maioria convive amistosamente e luta de forma desesperada para brilhar nesse universo bastante competitivo, porém algumas vivem pra ofuscar o brilho das estrelas menores ainda que isso acabe ofuscando o seu próprio brilho.

Em pleno século 21 ainda é possível encontrar essas superestrelas de ego insustentável em quase todas as empresas. Profissionais de todos os tipos, com ou sem diploma, experientes ou não, amigos do patrão e da patroa, recomendados pelo presidente, pelo filho e pela esposa do diretor e presidente.

Em geral são estrelas recém-formadas com seus MBAs de consistência duvidosa, jogo de cintura elevado e ótimos no discurso, principalmente quando há plateia, e outras capazes de administrar o cinismo diante da desgraça alheia fazem parte dessa constelação de superegos travestidos de líderes.

Você não está livre de encontrar estrelas assim por onde passa. Em geral, são estrelas solitárias que aterrissam nos cargos mais cobiçados da empresa a peso de ouro, prontas para cometer desvarios inexplicáveis em nome de uma suposta necessidade de mudança.

Infelizmente, muitas delas são produtos da mídia, a qual está sempre em busca de caras novas e polêmicas dispostas a arriscar a reputação em troca de uma autopromoção a qualquer custo.

Em alguns casos, o brilho dura pouco, mas é suficiente para provocar danos irreparáveis. Em outros, o dura meses, anos ou décadas até que sua real essência seja descoberta, depois de muitos estragos silenciosos na empresa e na carreira de outras menores que acabam apagadas durante sua permanência no cargo.

Boa parte delas nunca será descoberta, pois é favorecida pela demanda econômica, pela falta de talentos, pelos resultados positivos que encobrem todo tipo de sacanagem e de incompetência, pela exposição direta na mídia, pela intimidação de subordinados e outras atitudes condenáveis que lhe conferem o poder de serem amadas e odiadas ao mesmo tempo.

Outra parte é conhecida dos acionistas que, quase sempre, fazem vista grossa para o estilo truculento, pois a mão-de-ferro traz resultados favoráveis num universo onde o lucro é prioridade, portanto, os fins justificam os meios. Além do mais, a procura é bem maior do que a oferta de empregos e sempre haverá estrelas novas dispostas a pagar o alto preço do brilho no mercado.

Infelizmente, não há como fugir dessas superestrelas que assombram o universo corporativo ainda que você mude de vida, de emprego ou de cidade. Queira ou não, elas estão sempre cruzando o seu caminho e quando você menos espera elas aparecem para testar sua paciência, sua habilidade em lidar com o desconhecido e até mesmo a sua predisposição para engolir sapos.

Estrelas solitarias não brilham sozinhas

O tempo é o senhor da razão

Como eu já escrevi em outro artigo, esse tipo de comportamento está presente nas mais diferentes camadas da sociedade moderna, portanto, não seria diferente nas empresas. O mais preocupante, em pleno século 21, é que estrelas desse tipo ainda conseguem amealhar bajuladores, pois raramente brilham sem eles.

Eu tive a oportunidade de conhecer inúmeras delas ao longo da minha vida profissional e posso dizer que aprendi muito com essas verdadeiras popstars corporativas. No mínimo a gente tem boas histórias para contar durante as aulas e palestras à luz da experiência vivida na carne.

Sei que a vingança é um objetivo dispensável, porém não dá para esconder a leve satisfação de saber que algumas perderam o glamour ao longo do caminho e hoje vivem normalmente sem o brilho do passado.

Acredito que algumas até se tornaram mais humildes em virtude dos revezes que a vida lhes proporcionou, pois o tempo se encarregou de colocá-las no devido lugar. Como diz o ditado, não há bem que sempre dure nem mal que nunca se acabe.

Todos os dias, milhares de estrelas brilham e outros milhares se apagam no disputado universo corporativo. Uma parte delas ascende rápido demais, sem experiência, sem humildade, sem formação compatível nem o mínimo traquejo para lidar com pessoas.

Outra parte é vítima desse complicado processo de alcançar e sustentar o brilho por esforço próprio e merecimento, algo que se constitui um perigo para quem brilha por meios ilícitos, desonestos e outros indignos do seu merecimento.

Contudo, lembre-se, o tempo é o senhor da razão. Estrelas do mundo corporativo acendem e apagam o tempo todo. Além do mais, o que garante o brilho das pessoas é a consistência das suas ações.

Como manter o brilho sem ofuscar o brilho alheio

Infelizmente, é difícil mudar esse processo, pois em geral você é vítima dele. Portanto, tomei a liberdade de compartilhar algumas lições que podem ajudá-lo a compreender melhor esse ambiente para que você sofra menos e saiba como se posicionar em situações semelhantes.

Espero que sejam úteis e pare de se lamentar com relação a isso, pois, como dizia Ralph Waldo Emerson, grande pensador americano, “o descontentamento é a falta de confiança em si mesmo”.

Além do mais, você pode continuar brilhando ao ajudar outras pessoas a encontrarem a sua própria luz, pois em qualquer lugar do mundo sempre há algo que você sabe fazer melhor do que os outros e vice versa. É simples assim!

  • Nada é para sempre, exceto o caráter e a fé em si mesmo, portanto, paciência, equilíbrio, discernimento e postura profissional são fundamentais para enfrentar qualquer situação.
  • Ninguém pode feri-lo sem o seu consentimento, principalmente quando você tem o hábito de fazer mais do que o necessário e de contribuir com o melhor de si.
  • Como diz o ditado, a melhor maneira de ganhar uma discussão é evitá-la, portanto, desarme o espírito diante dos fatos; o humor das estrelas varia de acordo com o próprio brilho e, obviamente, elas não brilham o tempo todo.
  • Faça o seu próprio caminho e nunca dependa de outras estrelas para brilhar; é fato que algumas são importantes na sua vida, mas é fato também que o brilho é muito mais digno quando resulta do seu próprio esforço.
  • Quando você estiver no topo e se tornar a estrela principal, lembre-se de que o brilho é aparente, mas a sua condição interior – caráter e humildade – é o que o tornará uma estrela duradoura.

Quer saber mais? Leia o meu artigo Como sobreviver ao desprezo do chefe

 

Comente

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *