Você não é os seus resultados

Share on FacebookTweet about this on TwitterShare on Google+Share on LinkedIn

A cada canto um grande conselheiro, que nos quer governar cabana e vinha; não sabem governar sua cozinha, e podem governar o mundo inteiro. Os versos de Gregório de Matos Guerra, escritos há quase quatro séculos, têm tudo a ver com o momento atual e a pressão que você vive na vida pessoal e profissional.

Por onde quer que você ande, onde quer que você trabalhe, seja qual for o cargo que você ocupe ou a sua idade, a sombra das metas e dos objetivos estará sempre do seu lado. A cobrança é dura, por vezes, implacável. Metas para atingir, prazos para cumprir, resultados para melhorar, pessoas para controlar, vitórias para conquistar, competências para adquirir, desafios para superar.

Quando você imagina ter alcançado todos os resultados possíveis e, por conta disso, tenta relaxar um pouco para aliviar a pressão, novos padrões, metas e objetivos são estabelecidos no tempo seguinte, bem antes de você ter comemorado os números excepcionais do mês anterior.

Independentemente dos objetivos atingidos, das metas alcançadas, do lucro realizado e da participação de mercado conquistada, há uma regra oculta quase impossível de ser quebrada no mundo em que vivemos: tudo tem de crescer sob pena de uma alma ser sacrificada em caso de fracasso com o mesmo pretexto: o que importa são os resultados.

Você conhece alguma empresa disposta a vender menos no próximo ano, reduzir a participação de mercado ou produzir a mesma quantidade de itens com um numero maior de funcionários? Da mesma maneira, é difícil encontrar alguém disposto a trabalhar mais para ganhar menos ou, então, ávido para reduzir o padrão de consumo em troca de mais qualidade de vida.

resultados

Assim como é nas empresas é na vida pessoal. Você precisa de exercício, equilíbrio, serenidade, paciência ao extremo e, de vez em quando, deve abrir mão de alguns princípios para suportar a pressão diária por resultados cada vez mais desafiadores. Se você relaxar, existe outra alma pronta para ocupar o seu lugar e fazer o dobro do que você faz pela metade do que você ganha.

Não existe esse negócio de almoço grátis sem a respectiva contrapartida, mas não desanime. Quero compartilhar contigo uma verdade absoluta que descobri ao longo da minha experiência de vida, mas você não precisa levar o mesmo tempo para chegar a essa conclusão: você não é os seus resultados!

O que significa essa máxima? Se você não conseguir suportar a pressão por resultados sempre insaciáveis e isso lhe provocar uma adversidade temporária, você continuará sendo o mesmo ser humano criativo, iluminado, ativo, capaz de se reerguer quantas vezes for necessário.

Objetivos não atingidos, metas não alcançadas, esperanças perdidas e desafios ignorados de vez em quando não reduzem a sua importância como ser humano nem interferem na sua capacidade de resiliência. Derrotas temporárias são parte integrante do processo de crescimento pessoal e profissional do ser humano.

Assim sendo, não existe uma pessoa sequer na face da Terra que tenha conhecido apenas o sabor da vitória ou o dissabor da derrota. Para o seu próprio bem, acredite nisso, ambas se alternam em diferentes fases da vida, de tempos em tempos e na mesma proporção.

Por fim, lembre-se que, embora as circunstâncias e o ambiente exerçam influência sobre você, não há como transferir a responsabilidade sobre seus atos para terceiros. Você deve assumi-los por inteiro.

O impacto dos resultados na sua vida pessoal e profissional depende da importância que você atribui a eles, portanto, evite comparações, faça o melhor que puder e nunca olhe para trás. Para tudo na vida, existe uma ou mais saídas e, como a vida é uma eterna dádiva, haverá sempre uma nova chance.

Pense nisso e seja feliz!

Share on FacebookTweet about this on TwitterShare on Google+Share on LinkedIn

Comente

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *