Um lugar melhor para se viver

Share on FacebookTweet about this on TwitterShare on Google+Share on LinkedIn

O meu próximo livro a ser publicado trata do empreendedorismo para jovens, incluindo meus filhos, que ainda não encontraram um lugar ao sol, mas continuam firmes na caminhada. Penso e sempre torço para que seja uma questão de tempo, este inimigo ferrenho, pois, estamos sempre lutando contra ele.

Sem demagogia, queria eu ter dezoito anos outra vez, com a cabeça de hoje e a energia da adolescência, para fazer tudo diferente, revolucionar o mundo e arrastar multidões, mas o tempo não dá saltos, como diria um amigo. Somente a rebeldia dos primeiros anos é capaz de transformar o mundo.

Quando jovens, somos meio inconsequentes, rebeldes por natureza e não medimos esforços para fazer valer nossas ideias, ainda que isso nos custe cara feira de pai e mãe, desaprovação de amigos e parentes, e lágrimas de sangue. No final, você chega a algum lugar. Pode comemorar ou se arrepender.

Isso aconteceu comigo aos dezoito anos, quando abandonei a promessa de um futuro brilhante, segundo meus pais, no lugar onde eu morava, e troquei a vida boa do interior por um futuro incerto numa cidade desconhecia. Na época, eu segui apenas o meu coração e isso foi suficiente.

Por isso, nunca me assusto com os filhos que abandonam tudo por uma causa, a exemplo de um conhecido, de família abastada, que desistiu da faculdade e deixou para trás uma vida relativamente confortável para cuidar dos desassistidos nos confins da África. Não cabe aqui o julgamento, apenas o fato.

Com o passar dos anos, você não muda mais nada, pelo contrário, vai se limitando de acordo com os moldes fornecidos por uma sociedade que não tem escrúpulos nem identidade, apenas torce para que abaixe a cabeça, siga o padrão, respeite os códigos e, se possível, consuma muito.

No mundo, há pouco espaço para os inconformados, portanto, aqueles que se destacam são os que enfrentam as adversidades de peito aberto e acumulam cicatrizes ao longo do tempo. A maioria prefere aguardar em terra firme em vez de arriscar a vida no alto das árvores onde o sabor do fruto é melhor.

 Não é fácil construir o próprio futuro e, por essa razão, a música do Zeca Pagodinho faz muito sucesso: “Deixa a vida me levar”. Transformar o mundo num lugar melhor é inebriante, mas dá um trabalho danado. Um cargo de confiança no governo dá menos dor de cabeça e, aparentemente, garante o sustento até o fim da vida.

lugar-melhor-para-viver

Concordo com Daniel Burnham, arquiteto norte-americano, quando diz que “planos modestos não tem magia para provocar entusiasmo”. Portanto, em vez de se conformar, eu prefiro continuar agindo. Não se trata apenas do meu futuro, mas que o meu futuro pode fazer pelo futuro da humanidade.

Olhe ao redor e compare a sua situação com a dos demais. Pense no seu trabalho, na sua vida, no seu futuro. Há muita gente fazendo o que gosta e o que não gosta. Há também muita gente fazendo o que odeia. Há muita gente tentando fazer do mundo um lugar melhor para ser viver.

Espero que a maioria esteja do lado certo, mas duvido muito. Basta olhar a expressão facial das pessoas que lhe atendem numa repartição pública qualquer ou numa loja qualquer do shopping. Com raras exceções, assusta.

Quando as pessoas não estão alinhadas com o seu propósito de vida, por conta do próprio trabalho, elas não se sentem comprometidas com a organização que possibilita esse trabalho. Pode pagar o que pedirem e nunca estarão contentes, além de maldizer o empregador.

Pessoas comprometidas tendem a dar o melhor de si e a permanecer na empresa mesmo quando são perseguidas por chefes inescrupulosos cuja única meta é crescer pisando nos outros e espoliando a inteligência alheia. Pessoas engajadas arriscam a vida para reduzir a desnutrição, acabar com a fome e eliminar todas as formas de desigualdade.

Tenho pensado muito nessa questão da vocação, razão pela qual tenho um conceito diferente a respeito da minha visão. Procuro me preocupar muito mais com a minha visão do que com a minha missão. Minha missão está no sangue. A visão precisa ser cultivada com mais frequência. Uma colherada de cada vez.

Visão irresistível é diferente de uma declaração de objetivos e metas, além de ser mais inspiradora. Visões inspiradoras cativam investidores, funcionários e clientes. Elas contagiam as pessoas porque são autênticas e orientadas para uma perspectiva de vida melhor.

Tornar o mundo um lugar melhor para se viver depende da sua missão e quando o trabalho é orientado por uma visão inspiradora – a de mudar o mundo através da tecnologia, como era o caso de Steve Jobs -, a jornada torna-se mais interessante.

Eu sei que você precisa trabalhar e sobreviver, mas permita-se sonhar grande de vez em quando e procure fazer algo que o inspire a levantar animado todas as manhãs. Desenvolva um propósito que dê sentido à sua vida e lembre-se de que a paixão é o combustível que lhe fornece energia para perseguir sonhos e alcançar resultados.

Não queira ser melhor que Leonardo Da Vinci, Jesus Cristo, Steve Jobs e Gandhi. Eles servem apenas de inspiração. Dentro da sua realidade, talvez você ainda consiga ser ainda melhor. O seu futuro será tão brilhante quanto o futuro que você deseja para as pessoas que o acompanham.

Se você quer apenas vender mais produtos e serviços, acabará criando consumidores autômatos ou um bando de endividados. Mas, se deseja tornar o mundo um lugar mais justo e interessante para se viver, criará seguidores. Ninguém se interessa por produtos e serviços que não enriquecem o seu modo de viver.

Pense nisso e seja feliz!

Share on FacebookTweet about this on TwitterShare on Google+Share on LinkedIn
One Comment

Comente

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *