Tempo é questão de prioridades

Share on FacebookTweet about this on TwitterShare on Google+Share on LinkedIn

Alguma vez você já parou para calcular a quantidade de tempo perdido com coisas que não fazem a menor diferença na sua vida? Nem vou mencionar algumas, eu sei que você tem consciência disso.

Considerando que o dia tem 24 horas, a semana tem 7 dias e o mês tem, em média, 30 dias, são 168 horas por semana, 720 horas por mês ou 8.640 horas por ano à sua disposição.

Somos humanos, então, 30%, em média, é para dormir ou descansar, 30% é para trabalhar e ganhar dinheiro e 30% fica para fazer o que bem quisermos, mas lembre-se, tempo tem tudo a ver prioridades.

Se 30% do tempo restante equivale a 56 horas por semana ou 240 horas por mês, isso não é pouco, porém a reclamação geral das pessoas continua sendo a falta de tempo.

Na prática, só arranjamos tempo quando certas adversidades nos obrigam a encontrá-lo.

Exemplo: você chega do trabalho super cansado e descobre que a casa está alagada, então, vai ter que gastar um bom tempo para colocá-la em ordem. No mínimo, são duas, três ou mais horas para colocar tudo em ordem, um tempo que não estava previsto, mas você vai ter que dar um jeito na situação.

Quer outro exemplo comum? Já notou que quando você está atolado de trabalhado e surge uma viagem de última hora pela empresa, não importa o que esteja fazendo, você larga tudo e sai correndo para atender o chamado? Onde foi que você encontrou tempo?

Lembrando o meu amigo Christian Barbosa, autor de A Tríade do Tempo, existem coisas na vida que são importantes, outras urgentese outras circunstanciais.

Exemplo: supondo que hoje é 30 de março, você tem 30 dias de prazo para fazer o imposto de renda. Você sabe que algo é importantequando não tem como deixar de fazer, mas ainda tem tempo para isso. Trinta dias se passaram, hoje é 30 de abril e você não fez o imposto de renda, então, passou a ser algo urgente. Por volta de 18 horas, quando você está prestes a ir embora para fazer o bendito imposto de renda, o chefe chama você na sala e diz: preciso que você me ajude a fazer o imposto de renda, portanto, surgiu um evento inesperado, o se pode chamar de circunstancial.

Artigo de Jerônimo Mendes

Alguma vez você já parou para calcular a quantidade de coisas urgentes ou circunstanciais que fazem parte do seu dia-a-dia, mas não fazem a menor diferença na sua vida? Nem vou mencionar algumas, eu sei que você tem consciência disso.

A questão é bem simples: quanto maior a quantidade de coisas urgentes e circunstanciais na sua vida, maior o nível de estresse, de frustração, de caos e maior probabilidade de fazer algo mal feito.

É impossível ser feliz e produtivo com mais de 50% das coisas em nível de urgência.

Portanto, o que você precisa fazer, mais do que administrar o tempo, é definir melhor as suas prioridades, ou seja, as coisas que são importantes para a sua vida pessoal e profissional, das quais você não quer abrir mão para ter uma vida mais digna, rica, produtiva e desafiadora.

Quando você aprender a fazer isso, o tempo vai fluir naturalmente. Na prática, é impossível ser tudo para todos. Em tempos de competição acirrada, hiperssimplificação, hiperconexão e excesso de informação, quanto menos tempo você gastar com bobagens, mais produtivo se torna.

Como definir as prioridades? Vou deixar algumas perguntas para reflexão, estou certo de que você vai encontrar o caminho, mas isso é uma questão muito particular. Ninguém, mais do que você, sabe da sua dor e da sua renúncia, portanto, a única coisa que eu posso fazer é ajudá-lo a encontrar o caminho por meio de reflexões. Vejamos:

  • Quais são as coisas mais importantes do dia, da semana ou do mês, das quais você não pode abrir mão?
  • Quais são as coisas que você faz, mas que podem ser delegadas para outras pessoas?
  • Você é centralizador, não confia, não sabe treinar as pessoas ou tem medo de delegar?
  • Você é um líder mais estratégico ou mais operacional?
  • Você costuma fazer em vez de dar oportunidade para outras pessoas fazerem?
  • Você consegue planejar minimamente a semana?
  • Você consegue dizer não e negociar prazos quando necessário?
  • Você perde muito tempo nas redes sociais com coisas que não fazem o menor sentido?

Administrar melhor o tempo e estabelecer prioridades exigem profunda reflexão, mudança de hábitos e desapego absoluto de coisas que não fazem sentido na vida. E não adianta querer abraçar o mundo, ele é grande demais para ser abraçado e conhecido por inteiro.

Eu gosto muito do livro do A única coisa, de Gary Keller e Jay Papasan, consultores norte-americanos. Na medida em que você vai lendo, uma pergunta vai incomodá-lo a cada fim de capítulo, mas é para o seu próprio bem, acredite.

Qual é a única coisa que você deve fazer, de modo que as demais coisas se tornem menos importantes ou desnecessárias?

Por fim, quero lembrar a máxima do grande sociólogo italiano Domenico De Masi, a qual, basicamente, define a principal mensagem do seu best seller O ócio criativo, um livro que vai mudar radicalmente a sua forma de ver o trabalho, estabelecer suas prioridades e se tornar mais produtivo. É simples assim!

Para produzir mais, precisamos trabalhar menos!

Share on FacebookTweet about this on TwitterShare on Google+Share on LinkedIn

Comente

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *