Será que sou empreendedor?

Share on FacebookTweet about this on TwitterShare on Google+Share on LinkedIn

Resposta de Jack Welch, Ex-Presidente da GE, para um consultor de uma pequena empresa de desenvolvimento organizacional que sonha e constituir seu próprio negócio e deseja saber se preenche as condições para ser empreendedor, residente em Joanesburgo – África do Sul.

Fragmento extraído da Revista SEJA SEU PATRÃO (Suplemento da Revista Pequenas Empresas, Grandes Negócios, Editora Globo) – Edição no. 10 de Fevereiro/2007 sob o título “Lições do Mestre”.

Jack Welch – Não é só você que enfrenta emoções conflitantes a esse respeito; também nós – e muito intensas. Ser empreendedor sem ambivalência já é muito difícil. Quando, ainda por cima, se é dominado pela duvida, tudo fica duas vezes mais árduo. Entretanto, a ideia o deixa bastante curioso, a ponto de perguntar o que é necessário para ser empreendedor. Sua pergunta em si já é suficiente para demonstrar que você compreende uma verdade básica sobre negócios: os empreendedores realmente são de espécie diferente das que povoam as organizações. A propósito, não estamos emitindo nenhum julgamento de valor nessa afirmação. Ambos os tipos podem realizar-se em sua plenitude, mas são diferentes. Assim, aqui estão quatro perguntas. Se sua resposta for positiva para todas elas, esqueça a ambigüidade de suas emoções e vá à luta por conta própria. Você certamente preenche os requisitos do empreendedor.

empreendedor

Você tem alguma grande idéia que torne seus produtos e serviços irresistíveis para os clientes, de maneira inimitável por nenhum concorrente?

Às vezes, as pessoas são atraídas pelo “estilo de vida” dos empreendedores – controle, autonomia, perspectiva de riqueza e tudo isso -, mas, na verdade, carecem daquela idéia revolucionária, para que tudo se converta em realidade. Os verdadeiros empreendedores não só apresentam ao mercado uma proposta de valor singular, mas também se apaixonam por suas idéias. Além de acreditar com todas as suas forças que realmente descobriram a coisa mais importante do planeta, depois da gravidade, também estão convencidos que agora só resta vendê-la a um vasto mundo ansioso por desfrutar de seus grandes benefícios.

Você consegue ouvir “não” várias vezes e continuar sorrindo?

Os empreendedores passam boa parte de seu tempo pedindo e, às vezes, implorando dinheiro a capitalistas de risco, a banqueiros e a outros investidores. A reação quase sempre é um não contundente. Ninguém gosta de ser rejeitado, mas os empreendedores têm jogo de cintura suficiente para não se desanimarem com as negativas. Os melhores e os mais brilhantes ainda se sentem energizados pela experiência; cada recusa apenas os incita a vender suas idéias com mais energia.

Você odeia a incerteza?

Em caso positivo, interrompa sua leitura aqui. Os empreendedores passam mais tempo em becos sem saída do que gatos de rua, à caça de dólares, de novas tecnologias ou de novos conceitos em serviços, para não mencionar tudo o mais de que necessitam para construir um negócio. Quando não estão em becos sem saída, navegam em barcos adernantes, à deriva em mares tempestuosos – ou, em linguagem mais direta, geralmente estão sem dinheiro e ainda apostam no desconhecido. Mas, se você for empreendedor, tudo isso, na verdade, é grande diversão.

Sua personalidade é capaz de atrair pessoas brilhantes, dispostas a partir em busca do sonho, ao seu lado?

De início, evidentemente, você talvez tenha que se empenhar sozinho, como empreendedor. No entanto, depois de alcançar algum sucesso, você precisará contratar pessoas muito capazes, às quais não poderá pagar grandes salários. Para tanto, você precisará do talento de fazer com que as pessoas, tanto quanto você, amem seus sonhos. Você precisa da capacidade de converter funcionários e colegas em crentes dogmáticos.

Sem dúvida, não queremos desestimular ninguém a começar seu próprio negócio. O livre mercado depende de empreendedores; eles são a seiva de economias saudáveis em todo o mundo. Entretanto, é bom saber por conta própria é um afastamento radical de qualquer emprego que você tenha tido em empresas estabelecidas. Não vá adiante se essas incertezas o deixarem intranqüilo – mas prossiga até o fim, caso se sinta empolgado com os risos.

Pense nisso e empreenda!

Share on FacebookTweet about this on TwitterShare on Google+Share on LinkedIn

Comente

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *