Segurança X Independência

Share on FacebookTweet about this on TwitterShare on Google+Share on LinkedIn

De acordo com Emmanuel Mounier, filósofo francês, considerado por muitos o pai do personalismo, filosofia que considera a pessoa como o centro da discussão, geralmente, “os homens preferem a escravidão na segurança ao risco na independência”. De fato, eu já explorei muito essa máxima e não mudei em nada o entendimento quanto ao raciocínio expressado por ele.

A discussão inicial pode ser elaborada da seguinte forma: por que será que as pessoas procuram segurança no emprego? Para responder a essa questão será necessário formular uma nova: você conhece algum emprego estável, seguro e tranqüilo nos dias de hoje?

seguranca-independencia

Muito bem! Ainda que você possa crer que algumas atividades do serviço público oferecem essa vantagem, lembre-se de que muitas pessoas nessa condição odeiam o que fazem, portanto, a única que coisa que pode segurá-las é o bendito salário pago regularmente e aquela falsa condição de segurança. Entretanto, na sua grande maioria, não dão a mínima para o que fazem e estão sempre com a cabeça noutro lugar procurando alguma forma de garantir a falsa estabilidade. Caso não concorde comigo, deixo aqui uma nova questão: quantas pessoas que você conhece estão contentes com o que fazem no serviço público?

A segunda questão é que mais de 90% dos brasileiros, de alguma forma, estão presos às dividas, de qualquer natureza: cartão de crédito, cheque especial, empréstimos junto a amigos, parentes e agiotas, financiamentos para compra de casas, carros, brinquedos eletrônicos etc., exceto eu e você que fazemos parte dos 10% que tem um pouco de juízo.

Nesse sentido, lembre-se de que as nossas necessidades são ilimitadas, portanto, se não houver o mínimo de disciplina, você viverá um círculo vicioso de endividamento e sua vida será uma eterna transferência de valores para quem sabe administrar melhor o seu dinheiro: o banco onde você tem conta. Basta lembrar o que acontece no dia em que você recebe o salário ou o pró-labore; depois de pagar os credores, você ainda deve para o banco e nada sobra para o único que deu o sangue para merecê-lo.

A terceira questão é que, segundo Robert Kyosaki, autor de Pai Rico, Pai Pobre, seu chefe não poderá torná-lo rico, a menos que ele lhe mande embora e você se torne um empreendedor por natureza. Lamentavelmente, isso acontece com poucas pessoas. A maioria acaba procurando outro emprego imaginando que, ao trocar de empresa, todos os problemas serão resolvidos. Depois elas descobrem que todas as empresas são iguais, o que muda mesmo é o endereço. Então, se você não tiver a mente no lugar, a frustração voltará a assombrá-lo com força maior ainda.

O fato é que seu chefe precisa do emprego tanto quanto você e, ainda que ele não queira, dificilmente vai sacrificar o emprego dele para salvar o seu. É a lei da sobrevivência, portanto, ele precisa extrair o máximo dos seus liderados para atingir as metas da empresa e você pode ter certeza de que alguém vai ter que trabalhar duro para cumpri-las.

A última questão diz respeito ao número de credores na sua vida. Quanto mais credores você tem, mais pobre você é. Digo isso para chocá-lo, com a maior das boas intenções. Esta é apenas uma das razões pela qual os traficantes vendem a prazo, os bancos emprestam dinheiro, os agiotas preferem vê-lo endividado e as administradoras de cartão de crédito estão sempre correndo atrás do seu número de celular.

 A história do trabalho, e também a do dinheiro, é uma longa sucessão de poder e concentração na mão de poucos. Qualquer dia eu conto isso com mais detalhes. Para alguém ficar mais rico, alguém acaba necessariamente ficando um pouco mais pobre. Quando isso não é controlado mediante disciplina rígida e um propósito de vida bem definido, a tendência é o endividamento, a dependência e uma eterna sensação de impotência do lado mais fraco da corrente.

Assim sendo, de nada adianta culpar o governo, o patrão, o chefe, os ricos e o capitalismo pelas coisas ruins que acontecem. O que você precisa mesmo é fugir da escravidão salarial imposta pelo consumo desenfreado, traçar um plano de vida consistente e adotar definitivamente a disciplina para realizar o que você deseja na vida e, acima de tudo, colocar o plano em ação.

Por fim, lembre-se: independência financeira não significa propósito de vida? Quantas pessoas financeiramente bem-sucedidas que você conhece e que são completamente ocas na sua existência? Quanto mais distante você estiver do seu objetivo e da sua vocação, mais dependente do dinheiro você será, portanto, lembre-se das palavras de Sócrates, o grande filósofo ateniense, ao caminhar por uma feira de especiarias e supérfluos na Antiguidade: “quantas coisas sem as quais posso viver tranquilamente”.

 Pense nisso e seja feliz!

Share on FacebookTweet about this on TwitterShare on Google+Share on LinkedIn

Comente

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *