A saga de Maurício “Freeman” Klabin

Share on FacebookTweet about this on TwitterShare on Google+Share on LinkedIn

O Grupo KLABIN é um complexo de empresas que nasceu a partir da ousadia e determinação de Maurício Klabin, oriundo dos arredores de Posselva, uma pequena comunidade judaica situada na Lituânia. Maurício, ainda jovem, conseguiu juntar uma pequena quantia de dinheiro para plantar uma floresta e negociar a madeira, mas por determinação do czar da Rússia na época, Alexandre III, judeus não podiam se tornar proprietários e por essa razão foi denunciado e obrigado a fugir do país.

Em 1885, ansioso por liberdade de empreender, Maurício atravessou a Polônia e a Alemanha, parte a pé, parte em carroças, e em seguida conseguiu embarcar num navio para a Inglaterra, na época considerado um país liberal, desenvolvido e repleto de indústrias, no auge da Revolução Industrial. Na Inglaterra, Maurício adotou o sobrenome de Freeman, praticamente uma declaração de princípios, ou seja, homem livre.

Em Londres, Maurício alugou uma carrocinha, comprou chinelos e passou a vendê-los nas ruas, mas percebeu que não era o único imigrante e que os negócios na Inglaterra já estavam muito consolidados e competitivos, sem muita chance para novatos.

Atento às oportunidades, Maurício topou com anúncios de um país rico em oportunidades do outro lado do Atlântico onde o governo oferecia até passagens de graça. Foi quando Maurício Freeman Klabin decidiu embarcar para o Brasil, não apenas com a coragem, mas com espírito empreendedor aceso. Antes de partir, comprou 20 quilos de tabaco, papel e ferramentas para enrolar cigarros.

Sr-Marício-Klabin

Em 1889, o navio onde Maurício estava foi redirecionado do Rio para o Porto de Santos, onde desembarcou e acabou subindo a serra para São Paulo. Com a recente libertação dos escravos e a chegada dos imigrantes aos milhares, surgia uma nova classe trabalhadora e o Brasil explodia em mudanças de toda ordem.

Maurício conseguiu vender rapidamente seu estoque de cigarros de papel, uma novidade na época e, enquanto se preocupava em encomendar mais matéria-prima da Inglaterra, conseguiu emprego numa pequena tipografia de um casal idoso, sem filhos, que fazia livros em branco para o comércio.

Em pouco tempo, com um português razoável, passou a representar a gráfica pelo interior de São Paulo, quando incrementou os negócios e a gráfica lhe foi ofertada em condições bastante vantajosas. Apesar de pouco capital, Maurício se empenhou para honrar os compromissos e em 1890 tornou-se proprietário da própria empresa, berço de uma holding conhecida no mundo todo, 100 anos depois de sua fundação.

Quando os negócios se mostraram prósperos, Maurício, já com 35 anos, pede para vir da Rússia seus pais, Leon e Sara, a irmã, Nessel, e uma jovem de 27 anos, Bertha Osband, sua noiva. Mais tarde chamou o tio, Zelman Lafer, com os filhos e, dos Estados Unidos, seus irmãos Salomão, Hessel e Luiz. Nessa época, vieram também para o Brasil Miguel Lafer, primo de Maurício, e mais os primos Wolf, Max, Lazar e Henrique, filhos de Fanny, irmã de Leon, seu pai.

Finalmente, em 1º de fevereiro de 1899, dez anos depois da chegada de Maurício, ele e os irmãos Salomão e Hessel e mais o seu cunhado Miguel Lafer fundaram a empresa Klabin Irmãos & Cia. – KIC, que incorporou a antiga tipografia, um novo negócio para importação de artigos de escritório e um depósito próximo à Avenida Tiradentes, no maior centro econômico e financeiro do país, São Paulo. Nascia ali o Grupo KLABIN.

Em meio ao crescimento desenfreado do país, a partir da década de 1930, a Klabin nunca se descuidou da sua vocação original: a produção de papel e celulose. Em 1934, com apoio de um financiamento do governo, o grupo adquiriu a Fazenda Monte Alegre, no interior do Paraná, onde construiu o maior complexo industrial papeleiro da América Latina.

Maurício Klabin faleceu em 21 de setembro de 1923, na Alemanha, aonde fora tratar da saúde. Por mais que os negócios estivessem prosperando no Brasil, ele jamais poderia imaginar o futuro do complexo gigante que nasceu da sua coragem, da persistência nos negócios e do legítimo espírito empreendedor que o acompanhou desde que saiu da Rússia.

Share on FacebookTweet about this on TwitterShare on Google+Share on LinkedIn

Comente

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *