A receita de sucesso nos negócios

Share on FacebookTweet about this on TwitterShare on Google+Share on LinkedIn

Durante os últimos anos tenho dedicado boa parte do meu tempo para pesquisar e entender o universo corporativo sob dois pontos de vista diferentes: o dos empregados e o dos empregadores. As razões que distinguem os colaboradores bem-sucedidos dos empresários bem-sucedidos são convergentes e, de certa forma, possuem motivações semelhantes. Ambos os lados exigem disciplina, otimismo, persistência, determinação, planejamento, estratégia, sentido de realização e uma vontade inabalável de prosperar.

Embora os colaboradores sejam importantes na construção do sucesso das empresas, poucos empresários têm humildade para reconhecer o fato ou para atribuir parte do mérito aos que participaram do processo de consolidação do negócio desde o início. Contudo, leva tempo para construir um nome e consolidar um empreendimento, não menos do que 5 a 10 anos de considerável esforço e aprendizado constante.

sucesso-nos-negocios

As razões que separam os que prosperam daqueles que não conseguem ir além do terceiro ou quarto ano de vida são muito claras. Para fundamentar melhor o conceito de sucesso empresarial, vale a pena resgatar a trajetória de algumas personalidades que transformaram a história econômica de seus países e, por conseqüência, a sua própria história.

Soichiro Honda passou a infância ajudando o pai na oficina de bicicletas e, aos 15 anos, sem o benefício de uma educação formal, viajou para Tóquio em busca de trabalho. Embora tenha arranjado emprego como aprendiz em uma oficina mecânica, acabou mesmo trabalhando como babá na casa do proprietário. Decepcionado, retornou para casa e, 6 meses depois, foi chamado de volta. Desta vez, permaneceu 6 anos trabalhando como mecânico de automóveis até retornar novamente para casa e montar a sua própria oficina, aos 22 anos de idade.

Em 1936, após ter sofrido um grave acidente numa corrida de carros, sua esposa convenceu-o a abandonar o hobby, quando passou a concentrar energia nos negócios e fundou a Tokai Seiki Heavy Industry, fabricante de anéis de pistão. Em 1937, ainda constrangido pela falta de um diploma, matriculou-se na Hamamatsu School of Technology, porém revelou-se um péssimo aluno. Honda tinha pouco interesse nas aulas de engenharia que não envolvessem anéis de pistão e, acima de tudo, recusava-se a tomar nota da matéria e a fazer os exames escritos. Convidado a se retirar da escola, Honda decidiu fazer fortuna à sua maneira.

Ao lado de Konosuke Matsushita, Akio Morita e Eiji Toyoda, Soichiro Honda tornou-se um dos maiores industriais do Japão, segundo Daniel Goleman, ao transformar um hobby em uma empresa de sucesso que produz uma das melhores motocicletas do mundo. Para Soichiro Honda, “o sucesso só poderia ser atingido por meio de repetidos fracassos e da introspecção. Na verdade, o sucesso representa aquele 1% de seu trabalho combinado com 99% de ações denominadas fracassos.”

A ideologia de Masaru Ibuka definida no início da história da Sony e incorporada, mais tarde, por Akio Morita teve um papel importante na orientação e na evolução da empresa. Os produtos da Sony nem sempre foram um sucesso, mas o primeiro toca-fitas magnético, o primeiro rádio transistorizado, o primeiro rádio de bolso, o primeiro videocassete doméstico e o walkman fizeram história. Apesar dos fracassos dos seus produtos iniciais, a panela elétrica para fazer arroz e a sopa adocicada de creme de feijão, o idealismo de Ibuka era visível e foi determinante para a expansão dos negócios nos Estados Unidos.

Em 1958, Akio Morita fez com que o nome da empresa fosse mudado. Defensor entusiasmado da globalização, Morita logo percebeu que um nome como Tokyo Tshushin Kyogu – nome original da Sony – seria obstáculo para a conquista de mercados estrangeiros. O fato é que Morita acabou construindo uma das maiores empresas do mundo, famosa por seus sofisticados produtos em miniatura.

O nome Sony era uma combinação da palavra sonus – som, em latim – e do termo coloquial sonny, uma forma familiar americana de se referir a meninos ou rapazes. A estratégia funcionou. Quando perguntaram aos comerciantes de rádios norte-americanos se já haviam comercializado rádios japoneses, a resposta foi um sonoro “não”. Ao perguntarem se já haviam comercializado rádios Sony, a resposta foi um inequívoco “sim”. O restante é história.

Em 1924, a Computing Tabulating Recording Company (CTR) era somente uma das 100 empresas de médio porte tentando sobreviver nos Estados Unidos, segundo James Collins e Jerry Porras, autores dobest seller Feitas para Durar. Já ouviu falar dela? A CTR comercializava basicamente relógios de ponto e balanças, tinha apenas 52 vendedores com uma cota mensal de vendas a cumprir e um futuro nada promissor. Nada de estranho até aqui.

Quando Thomas Watson Sr. chegou em casa, deu um abraço na esposa e anunciou com orgulho que a CTR mudaria de nome e passaria a ser conhecida com o grandioso nome de International Business Machines, seu filho Thomas Watson Jr. ficou parado na porta da sala, pensando: aquela empresa pequenininha? Hoje não existe nada de estranho no nome International Business Machines, mas na época soava até ridículo, segundo os pesquisadores.

De acordo com Michael Gerber, as perguntas a seguir foram utilizadas por Thomas Watson Sr. antes mesmo de a IBM se tornar uma empresa de sucesso: existe uma visão bem clara de como será a empresa quando ela estiver pronta? Como a empresa precisa agir para se tornar uma empresa de sucesso? Se a empresa sabe como agir desde o princípio para alcançar a visão de futuro, então por que não começa imediatamente?

Fracassos, estratégia e ousadia. De posse dos exemplos mencionados e de outros milhares de empresas e empreendedores de sucesso existentes ao redor do mundo que, a despeito de todas as dificuldades, prosperaram, compartilho aqui os segredos do sucesso definidos por Jeffry Timmons, um dos grandes pesquisadores sobre empreendedorismo. Com algumas observações adicionais, eu os batizei de A Receita do Sucesso nos Negócios no meu livro Manual do Empreendedor – Como construir um empreendimento de sucesso (Atlas); portanto, ainda que você não seja um empreendedor, espero que seja extremamente útil na sua vida.

Desenvolva uma estratégia convincente e clara.

Comunique a essência da visão e da missão; não perca o principal objetivo de vista; mantenha o foco.

Crie um diferencial nos seus produtos e serviços; é a sua vantagem competitiva.

Não há segredos; somente o trabalho duro dará resultados.

Nada é mais importante do que um fluxo de caixa positivo.

Se você ensina uma pessoa a trabalhar para outras, você a alimenta por um ano; se você a estimula a ser empreendedor, você a alimenta, e a muitas outras, durante toda a vida.

Um negócio bem-sucedido, antes de ser técnico ou financeiro, é fundamentalmente um processo humano; as pessoas são importantes.

Realizar com o sentido de contribuir é mais importante do que ganhar dinheiro.

A sorte favorece os que são persistentes; enquanto a sorte não vem, continue caminhando.

A felicidade é um fluxo de caixa positivo.

Pense nisso, empreenda e seja feliz!

Share on FacebookTweet about this on TwitterShare on Google+Share on LinkedIn

Comente

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *