O que realmente importa

Share on FacebookTweet about this on TwitterShare on Google+Share on LinkedIn

Dia desses fui visitar um asilo para idosos, daqueles que a sociedade costuma disfarçar pelo nome de “Recanto da Terceira Idade”, a fim de retribuir uma parte do que a vida tem me concedido afortunadamente. Num local como esse, quando você ainda carrega algum sentimento de compaixão pelo sofrimento alheio, qualquer cena conflitante com a sua confortável realidade faz você pensar sobre as inquietantes contradições humanas.

Depois de algum tempo observando aqui e ali, circulando entre as dores e alegrias humanas que se manifestam incomodadas e às vezes desconfiadas com a presença de pessoas que parecem não ter nada a ver com a sua história, fica difícil não imaginar que tudo aquilo poderia ser bem diferente.

Como dizia Emerson, o grande pensador norte-americano, toda verdade é feia e deselegante. Embora o objetivo do grupo do qual eu fazia parte fosse o de animar os velhinhos com a nossa presença, música e presentes, não deu para ficar imune ao sentimento de impotência e indignação que toma conta da gente diante de expectativas e percepções tão diferentes do mundo.

Indiferente a tudo o que tentamos fazer naquele dia, nossa presença era o que realmente importava para aquelas pessoas. Em cada rosto, em cada música, em cada lanche servido ou em cada presente preparado carinhosamente pelos inúmeros voluntários, uma única certeza, a de que a vida vale a pena ser vivida enquanto existe a mais pura noção da realidade ao nosso redor, caso contrário, torna-se um fardo difícil de ser carregado.

Certas coisas são incompreensíveis e inaceitáveis quando você conhece a origem do problema, porém não encontra soluções e braços voluntários que ajudem a reverter a situação. Centenas de pessoas estão ali porque os filhos, genros e noras simplesmente não as querem dentro de casa. Outras porque não conseguiram livrar-se do gênio difícil que acabou gerando mais inimigos do que simpatizantes ao longo da vida.

o-que-realmente-importa

O mundo é realmente contraditório. Por todos os lados encontro pessoas que se dizem infelizes, umas porque ganham pouco, outras porque ainda não foram promovidas e muitas outras porque fazem do dinheiro, do cargo que ocupam e dos bens materiais a sua única esperança de vida.

Do outro lado da cidade, afastados da civilização, uma pequena parte da nossa sociedade continua à espera de um ombro amigo, de um sorriso efêmero, de um pouco de pão e, quem sabe, do fim do sofrimento. É a parte que lhe cabe neste latifúndio, é a parte que queria ver dividida…

A vida é muito mais do que imaginamos. Ela é aquilo que fazemos dela, portanto, um milhão ou quarenta bilhões na conta não fazem a mínima diferença se você não tiver amigos dispostos a estender os ombros e a compartilhar o tempo quando mais precisar deles. E eles se afastam justamente nesses momentos.

Considerando tudo isso, duvido que alguém deseje envelhecer por livre e espontânea vontade e não me lembro de ninguém que tenha comemorado radiante a chegada dos 70, 80 ou 90 anos. Nessa idade, os filhos promovem uma festa para reunir os amigos e amenizar um pouco a tristeza do passar dos anos. Essa é uma condição imposta pela natureza meio a contragosto.

Assim sendo, meu amigo, prepare-se para aceitar as derrotas com a cabeça erguida e comece a construir a sua estrada com base no hoje porque o terreno do amanhã é desconhecido demais para os planos. Lembre-se apenas de que a maturidade tem muito mais a ver com o número de experiências que você teve do que com os aniversários que você celebrou.

Em qualquer fase da sua vida, concentre o esforço no ser e o ter será mera consequência dos seus atos. Ser alguém mais humano, mais amigo, mais alegre e mais altruísta vale mais do que ter um patrimônio que não pode ser levado para outra dimensão. O tempo não pára nem volta para que você conserte todos os relacionamentos destruídos ao longo do caminho.

O que realmente importa são as lições que você aprende para se tornar uma pessoa melhor, um ser humano melhor, um profissional melhor. Depois de visitar um local assim, você conclui que o que realmente importa não é o que você tem na vida, mas quem você tem na vida.

Pense nisso e seja muito feliz!

Share on FacebookTweet about this on TwitterShare on Google+Share on LinkedIn
One Comment

Comente

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *