O kit básico do consultor organizacional

Share on FacebookTweet about this on TwitterShare on Google+Share on LinkedIn

Consultoria é uma das primeiras opções de profissionais que não conseguem se recolocar no mercado de trabalho; porém, existem consultores e consultores.

Entretanto, há uma diferença abismal entre estar consultor e ser consultor. Talvez a primeira opção seja um caminho para a segunda, mas isso, apenas o tempo dirá.

De qualquer forma, é impossível ser um consultor que se preze sem conhecer e dominar algumas regras básicas da gestão, principalmente quando se sabe que o cliente, em geral, nem sempre sabe o que quer ou onde está o verdadeiro problema.

Aliado a isso, se não houver foco naquilo que você realmente domina e um método claro de trabalho, por mais simples que seja, porém, estruturado, ninguém passa do primeiro contrato.

De maneira macro, aqui estão os 5 pontos que todo consultor deve abordar, a partir de um diagnóstico bem elaborado na empresa:

Estratégia: a empresa, o dono, os líderes em geral, sabem para onde a empresa está caminhando? Quem quer ser tudo para todos acaba não sendo nada para ninguém. Qual seria a primeira palavra que vem à mente do cliente ao lembrar daquela empresa?

Tecnologia / Sistemas: você pode ter o melhor sistema do planeta, e não ter nenhum, se não estiver parametrizado de maneira correta e se as pessoas ainda estiverem controlando tudo em arquivos paralelos do tipo Excel.

Processos: não é o que as pessoas querem fazer, mas o que a empresa precisa que seja feito; portanto, quando mais alinhado a forma de trabalho, melhor. Nesse aspecto, políticas, normas, procedimentos, processos etc. são fundamentais.

Pessoas: ter as pessoas certas no lugar certo fazendo a coisa certa é um exercício diário de acompanhamento, treinamento e reposicionamento, sempre que necessário. Tecnicamente, as pessoas são boas; o problema está na área comportamental. É duro ficar pegando no pé de marmanjo o tempo todo.

Filosofia de Liderança Positiva / Execução: a começar pelos sócios e demais lideranças da empresa; é impossível mudar uma cultura organizacional se não houver participação e engajamento das próprias lideranças e, geralmente, os donos / sócios, são os mais resistentes.

O kit básico do consultor organizacional

E não adianta vir com essa conversa mole de que, se o consultor fosse bom, teria o seu próprio negócio. Quando ouvir isso, a resposta é simples: se você soubesse o que fazer, não estaríamos aqui conversando, portanto, nosso trabalho é uma via de mão dupla.

Existem milhares de consultores, de norte a sul do Brasil, mas, para se tornar uma referência no mercado, não basta somente conhecimento técnico, experiência e diploma. Isso ajuda, mas o método, com início, meio e fim, é o que vai tornar o seu nome e o seu trabalho efetivo em qualquer lugar.

Sem método, talvez você se torne um bom ouvinte, e até conselheiro, mas nunca será um bom consultor. Pense nisso, aprofunde-se, estude, defina um bom método de trabalho e seja um consultor por excelência.

Share on FacebookTweet about this on TwitterShare on Google+Share on LinkedIn

Comente

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *