Lealdade corporativa

Share on FacebookTweet about this on TwitterShare on Google+Share on LinkedIn

Lealdade é uma virtude difícil de ser praticada no mundo corporativo, pois só existe lealdade quando nos mantemos fiéis a nós mesmos. Ela depende de uma série de fatores arraigados desde a infância: o meio onde fomos criados, a nossa história pessoal e, principalmente, os valores e princípios adotados pelos nossos pais no convívio familiar.

Lealdade significa ser verdadeiro consigo mesmo. Quando isso ocorre, fica mais fácil adotar essa virtude no relacionamento com as demais pessoas ao nosso redor. Infelizmente, em razão da competição desenfreada que vivemos no mundo corporativo, a lealdade é colocada em segundo plano com muita facilidade quando a nossa ambição é desmedida ou atuamos num ambiente sob pressão.

lealdade

Lealdade é diferente de fidelidade. A primeira exige, antes de tudo, a verdade consigo mesmo; a segunda exige também a verdade com as pessoas com as quais nos relacionamos. Entretanto, não existe lealdade sem fidelidade e vice-versa, motivo pelo qual as duas virtudes são difíceis de serem praticadas.

Ser leal a alguém, ao país ou a uma empresa significa que você nunca irá prejudicá-los, haja o que houver. Você pode mudar de companheiro, de cargo ou de empresa, mas a lealdade pressupõe que o compromisso seja verdadeiro até o fim, caso contrário, os princípios são prejudicados.

Por várias empresas onde passei, conheci poucos profissionais capazes de manter a lealdade. O discurso era bom, entretanto, a lealdade caía por terra na primeira discussão com o chefe ou quando, diante da possibilidade de ascensão a um novo cargo, a oportunidade era dada para outro. Para muitos, a lealdade acaba no dia da demissão, quando entra em cena o espírito de vingança. Aquilo que você defendeu durante muito tempo passa a ser motivo para difamação.

Em muitos casos a deslealdade era justificada mediante a confusão entre valores e princípios, o que induz ao raciocínio incorreto de determinada situação. Coisas do tipo “eu ganho pouco”, “a empresa não merece a minha lealdade”, “vou garantir o meu, o resto que se dane” ou ainda “se todo mundo faz, porque eu não posso fazer” eram comuns.

A máxima bíblica continua a mesma, depois de dois mil anos: “você não pode servir a dois senhores ao mesmo tempo”. Isso vale para os relacionamentos conjugais, para as amizades e para o trabalho. Entretanto, falamos do ser humano, sujeito a falhas e desvios de qualquer natureza, refém do meio e das percepções equivocadas ao longo da sua experiência pessoal e profissional, sensível às pressões do mundo dominado por valores equivocados.

Diante das dificuldades existentes para se dominar essa virtude especial, quero compartilhar algumas lições que me permitiram alinhar os valores com a minha conduta por todos os lugares onde passei. Cada pessoa constrói a sua própria história e o que vale para mim pode não valer para outros, entretanto, como foi dito anteriormente, princípios são inegociáveis.

No mundo corporativo, a lealdade será reconhecida em ações simples, tais como: não falar mal da empresa e dos colegas diante dos outros; defender os colegas e a empresa mediante comentários maldosos; honrar o compromisso e a palavra assumida desde o começo; demonstrar interesse e dedicação pelas coisas da empresa; manter-se fiel aos princípios, independente das circunstâncias. Não existe lealdade parcial. Você é leal ou não.

Pense nisso e seja feliz!

Share on FacebookTweet about this on TwitterShare on Google+Share on LinkedIn

Comente

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *