História de vida

Share on FacebookTweet about this on TwitterShare on Google+Share on LinkedIn

Vou resumir a minha história de vida nesse artigo. Eu nasci há exatos 582 meses. Por enquanto, foram 2.538 semanas, 17.766 dias, 426.374 horas ou 25.582.480 minutos ininterruptos de respiração, intercalados entre várias emoções: alegria, tristeza, angústia, êxtase, decepções e comemorações.

Era domingo. Lembro como se fosse hoje. Minha mãe alternava entre picos de dor e angústia, por conta de um parto normal, realizado em casa, e pela ausência do meu pai que me conheceu apenas ao retornar de viagem, alguns dias depois. Confesso que não foi ruim. Não senti dor nem fome nem tristeza. Chorei um pouco quando levei uma bofetada no traseiro, sem merecer.

Naquele exato momento me dei conta de que deixaria o conforto do útero materno para tomar uma estrada longa e desafiadora até o fim.

O ditado devia ser um pouco diferente. A gente nasce sem pedir, apanha sem merecer e vai embora sem querer. De lá para cá são quarenta e oito anos de vida bem vividos. Aprendi a não reclamar. Não há de que. Estou a meio caminho andado considerando o meu projeto de não morrer antes dos cem.

Tenho inveja do Niemeyer. Se for antes dos cem, tudo bem, mas se não for, o que é que tem? Contudo, espero que a vida seja da melhor forma possível, ou melhor, não espero. Trabalho pra isso, me cuido um pouco, sem neuras, aproveito cada minuto, detesto perder tempo. Sendo humano, relaxo de vez em quando e me dou o direito de não fazer nada, mas não perco meu objetivo de vista.

historia-de-vida

Conheço gente que realizou muito mais em menos tempo. Steve Jobs, por exemplo, um ser humano iluminado. Diria que ele é do outro mundo, mas quem não é. Estamos aqui por acaso e podemos nos encontrar no mesmo lugar algum dia, mas isso não importa. Cada um tem a sua história.

De fato, você tem a sua e eu tenho a minha. São histórias diferentes de todas as pessoas ao nosso redor embora as histórias se cruzem ao sabor da história, ou do destino, se preferir. Não me comparo nem quero que se compare. Não vale a pena o sofrimento. Histórias por si só são histórias que o tempo se encarrega de enterrar ou preservar.

Esse é o lado bom da vida: a possibilidade de viver a sua própria história, não as histórias alheias. Não posso nem devo reclamar da minha. Confesso que vivo bem. Poderia ter feito mais? Penso que sim, mas penso também que não se reverte o passado, portanto, gosto de olhar para frente.

A esperança, o novo, as possibilidades de mudança, o futuro que ainda reside em nossas mãos, isso é o que vale. O resto é bobagem, dor, conspiração, sofrimento desnecessário, comparações e justificativas inúteis. Fácil é acreditar num futuro melhor, difícil é lutar para que isso aconteça.

Eu poderia escrever aqui um cabedal de realizações, pequenas, mas de grande importância, outras maiores, de menor importância. Já escrevi bastante, fiz muitos cursos, estudei mais do que devia, menos do que gostaria, casei, fiz filhos, tive momentos bons e ruins, já fui mal e bondoso ao mesmo tempo, ajudei e recebi ajuda, ganhei e desperdicei dinheiro. Valeu a pena? Fernando Pessoa que o diga. Qualquer coisa diferente disso é especulação.

O tempo presente é experiência. O tempo futuro é desafio. Em termos de futuro, o que é importa é saber se a nossa experiência será capaz de superar os desafios. Nossa história será contada pela quantidade de desafios superados. Não importa o tamanho da sua história, precisa valer a pena.

No começo da história, o que realmente importa é o primeiro passo, a fé em si mesmo, a esperança no futuro, o uso do gênio criativo, a certeza de que é possível conquistar o mundo por meio da inteligência, do esforço e do otimismo.

No meio da história, o que importa é estar pulsando, respirando, fazendo acontecer, planejando os próximos cinquenta anos, construindo a resiliência a cada tropeço, mudando a cada decisão equivocada, vivendo cada segundo como se fosse o último.

No fim da história, eu espero ter tomado muito sorvete, contado muitas piadas, treinado muitas pessoas, subido muitas montanhas, viajado bastante, chorado por coisas que valeram a pena, dividido experiências com as multidões, escrito artigos, livros, ensaios até os dedos não terem suportado mais. Como diz o ditado, o que se leva da vida é a vida que a gente leva.

Se depender de mim, farei muita gente rica e feliz com o meu trabalho, por isso não desanimo. Meu bem-estar e minha riqueza dependem disso. Enriquecer sem ajudar os outros a enriquecerem é como fazer um banquete e não convidar ninguém. Não tem a menor graça.

Nossas histórias são diferentes. Possivelmente, temos visão e missão diferentes, pois nossa história pessoal e nossas habilidades são diferentes. O lado bom de tudo isso é que podemos escrever o nome na história com histórias de vida inspiradoras, seja qual for a nossa vocação.

Minha história é regida pela minha vocação e esta, por sua vez, é regida pela minha missão: despertar o potencial existente nas pessoas para uma vida mais rica e desafiadora. Você já descobriu a sua?

Pense nisso e seja feliz!

Share on FacebookTweet about this on TwitterShare on Google+Share on LinkedIn

Comente

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *