A grama do vizinho

Share on FacebookTweet about this on TwitterShare on Google+Share on LinkedIn

De acordo com o dramaturgo irlandês Oscar Wilde, “quando os deuses querem nos punir, eles atendem às nossas preces”. Nesse sentido, o próprio autor teve a máxima comprovada mediante os escândalos que se sucederam por suas atitudes nada convencionais, depois de conquistar fama e glória no mundo artístico e literário de sua época. Entretanto, seu legado literário é inquestionável.

De fato, com relação ao ditado, você faz um esforço considerável, estuda, imagina aquele momento único, atropela os companheiros e ignora as regras, se necessário, mas não perde de vista o objetivo. Toda energia e motivação canalizada para conquistar o que você tanto almeja na vida pessoal e profissional tende a morrer no minuto seguinte com o desejo. E por tudo aquilo que havia imaginado, e levou anos para conseguir, a prática revela-se diferente.

Em muitos exemplos, o desejo atendido transforma-se em frustração absoluta. Como a ambição é desmedida e as necessidades humanas são ilimitadas, novos desafios nascem imediatamente após o atendimento da última prece. Por fim, ainda temos que nos esforçar para mantê-los vivos, além de encontrar forças e motivação para perseguir o próximo objetivo.

grama-do-vizinho

O emprego dos sonhos, ora existente em nossa cabeça, passa a ser um martírio no momento em que nos deparamos com ele. Tudo o que foi mencionado a respeito do cargo ou da profissão desejada, nos livros de autoajuda e nas revistas especializadas, muda com facilidade no momento em que passamos a ocupar a cadeira do ex-colega de trabalho, do ex-chefe ou de alguém que foi demitido pela mesma razão que pode ser usada contra nós no futuro.

O volume de dinheiro com que sonhamos a vida inteira é motivo para dor de cabeça depois de conquistado. Não sabemos o que fazer com ele, e pior ainda, nossa ansiedade e insegurança tornam-se perturbadoras pelo simples medo de perdê-lo considerando que somos vítimas de todo tipo de aproximação indesejada, falsas amizades, abordagens inesperadas e achaques de toda ordem para os quais não temos a mínima habilidade de lidar.

A mulher do próximo é sempre mais atraente, mais inteligente, mais elegante, mais bonita e mais sexy até o dia em que nos engraçamos com ela. Com a beleza e a sensualidade surgem as discussões, as mentiras, a extravagância, a falta de consistência, a traição, a ruína, por vezes, a morte. Apesar do risco, prevalece o impulso. Somos criaturas moldadas pela mão dura da vida, cujo instinto primitivo se revela facilmente ao menor sinal de vacilo.

Toda coisa tem dois lados: um bom e um mau. Não se pode lutar contra isso, para o nosso próprio bem. “Nenhum homem teve jamais uma ponta de orgulho que não lhe fosse prejudicial”, segundo Edmund Burke, filósofo e político irlandês, portanto, não podeis fazer o mal sem padecê-lo. É a lei da compensação.

Nossa inconsistência faz com que imaginemos que poder, dinheiro e status são coisas admiráveis. Contudo, o presidente da empresa pagou caro pelo cargo mais desejado. Custou-lhe, no mínimo, o direito de ir e vir despreocupado pelas ruas, a paz de espírito, a qualidade de vida, a alegria do convívio familiar.

A grama do vizinho é sempre mais verdinha, entretanto, se tivermos a oportunidade de experimentá-la, podemos senti-la amarga, áspera, muito distante daquilo que imaginamos. Somente quando isso ocorrer saberemos dar valor para os bens que são nossos de verdade, aqueles que são amealhados com base em nossa conduta ética e moral.

Você nunca saberá exatamente o que se passa do outro lado, portanto, não critique, não cobice, não prejulgue nem tire conclusões precipitadas a respeito do que você não faz a mínima ideia de como funciona. Seja grato pelo que você tem e não deixe de perseguir a felicidade nas pequenas coisas. Não pergunte a si próprio se você é feliz, caso contrário, você deixará de sê-lo.

As palavras de Friedrich Hölderlin, poeta e romancista alemão, encerram a nossa lição: “o homem é um Deus quando sonha e um mendigo quando reflete; e, quando o entusiasmo acaba, ele fica ali parado, como um filho desgarrado, expulso da casa paterna, observando o miserável centavo que a compaixão jogou em seu caminho.”

Pense nisso e seja feliz!

Share on FacebookTweet about this on TwitterShare on Google+Share on LinkedIn

Comente

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *