Abundância? Tem certeza?

Share on FacebookTweet about this on TwitterShare on Google+Share on LinkedIn

O livro Abundância: o futuro é melhor do que você imagina, de Peter Diamandis, empreendedor que se tornou um inovador pioneiro no Vale do Silício, e Steven Kotler, premiado jornalista, publicado no Brasil pela Editora HSM, dá um nó na cabeça de quem acredita que o mundo está prestes a enfrentar um colapso por escassez de recursos

Segundo os autores, a humanidade vai entrar numa era de superabundância, onde as tecnologias tornarão produtos e serviços essenciais tão baratos que todos os habitantes do planeta terão acesso àquilo que, até há pouco tempo, era privilégio dos mais abastados.

Abundância? Tem certeza

Durante uma agradável leitura, os autores documentam como o progresso nas áreas de inteligência artificial, robótica, computação infinita, redes de banda larga, manufatura digital, nanomateriais, biologia sintética e muitas tecnologias de crescimento exponencial permitirão que todo ser humano na face da Terra disponha, nas próximas duas décadas, de ganhos maiores que os ganhos obtidos nos últimos dois séculos, em termos de qualidade de vida.

Em mais de quatrocentas páginas enriquecidas por depoimentos, pesquisas e dados difíceis de questionar, os autores exploram como quatro forças emergentes – tecnologias exponenciais, inovadores que seguem a filosofia faça-você-mesmo, tecnofilantropos e o bilhão ascendente – conspiram para resolver os maiores dilemas da humanidade.

Um dos principais exemplos citados pelos autores vem da cidade planejada de Masdar, nos Emirados Árabes Unidos, que está sendo construída pela Abu Dhabi Future Energy Company. Localizada na periferia de Abu Dhabi, depois da refinaria de petróleo e do aeroporto, Masdar foi projetada para abrigar 50 mil moradores, enquanto outros quarenta mil trabalhadores se esforçam para colocar a cidade em pé.

Nesse caso, nenhum carro será permitido dentro do perímetro da cidade, e nenhum combustível fóssil será consumido dentro do seu território, apesar de Abu Dhabi ser considerada o quarto maior produtor de petróleo da OPEP, com 10% das reservas conhecidas. A cidade inteira está sendo construída para um futuro pós-petróleo, ameaçado pela falta dessa matéria-prima fóssil, e pelos conflitos por água, entretanto, mesmo num mundo sem petróleo, Masdar continuará banhada por muita luz solar.

A quantidade de energia solar que atinge a atmosfera foi calculada em 174 petawatts, com variação de 3,5% para mais ou para menos. Desse fluxo solar total, cerca de metade atinge a superfície da Terra. Como a humanidade consome atualmente cerca de 16 terawatts anuais (2008), existe, portanto, mais de 5 mil vezes energia solar atingindo a superfície do planeta do que consumimos num ano.

Com base nesse e em outros exemplos citados, Diamandis e Kotler são enfáticos: o problema não é de escassez, mas de acessibilidade. Isso não é diferente com a água, considerando que Masdar fica no Golfo Pérsico, um grande corpo aquoso, entretanto, salgado demais para o consumo ou para a produção agrícola. Mas, e se uma nova tecnologia conseguisse dessalinizar uma pequena fração dos oceanos para resolver o problema da água, não apenas do Golfo Pérsico, mas de outros países também?

Diamandis e Kotler têm até uma explicação para o lado cético das pessoas: fomos programados para ver o mundo como um lugar ameaçador, inóspito, competitivo, portanto, nosso pessimismo é natural e não nos deixa perceber as revoluções silenciosas das quais fazemos parte.

Vale a leitura!

Share on FacebookTweet about this on TwitterShare on Google+Share on LinkedIn

Comente

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *