A arte do recomeço

Share on FacebookTweet about this on TwitterShare on Google+Share on LinkedIn

Apesar do esforço coletivo dos governantes para reverter situação da economia mundial através do estímulo ao consumo, a crise financeira não dá sinal de tréguas e já atingiu até os meus amigos, vizinhos e parentes.

Quase todos os dias eu recebo currículos de conhecidos ou do amigo de um amigo que, por sua vez, acaba se tornando meu amigo e fazendo parte da minha rede de contatos. Cada vez que isso acontece, eu lembro a famosa frase de Harry Truman, ex-presidente dos Estados Unidos: recessão é quando o seu vizinho perde o emprego; depressão é quando você perde o seu.

O fato é que o discurso dos livros de auto-ajuda é muito diferente do que acontece na prática. Pensar positivo, entregar o currículo pessoalmente, utilizar o networking e outras estratégias semelhantes nem sempre funcionam quando você mais precisa delas. Portanto, se você não tomar cuidado, com o passar do tempo e aquele monte de bobagens que a mídia despeja ao seu ouvido diuturnamente, a frustração será inevitável e o recomeço ainda mais difícil.

recomeco

A realidade é que ao entrar para o mundo dos profissionais à disposição do mercado – não gosto da palavra desemprego -, você acaba refletindo sobre tudo aquilo que poderia ter sido feito enquanto estava bem empregado e agora, numa situação de desvantagem temporária, não é tão simples quanto parece, como, por exemplo, procurar um novo emprego sem ter emprego.

Você já notou que as empresas procuram os profissionais somente quando eles estão bem empregados? Dificilmente alguém, por livre e espontânea vontade, bate à porta da sua casa, quando você está disponível para o mercado, e diz: você não precisando de um emprego com ótimo salário e excelente carteira de benefícios? Parece que a experiência, a energia, a inteligência e a capacidade de realização são demitidas junto com o profissional.

Quantas vezes, durante as discussões com o chefe ou mesmo com um colega de trabalho, você deve ter se perguntado em silêncio: o que é que eu estou fazendo aqui? Talvez estivesse ali a sua grande oportunidade de mudar a história dos acontecimentos, entretanto, você não consegue mudar o passado, mas pode reconstruir o futuro.

Eu posso afirmar de boca cheia que, depois da minha primeira e última demissão na vida, tornei-me um expert nesse negócio, portanto, como eu sempre gosto de dizer, repetidamente, se existe algo com que você não deve se preocupar é o afastamento temporário do mercado de trabalho. Como diziam nossas avós, é no andar da carruagem que as abóboras se ajeitam. Além do mais, o mundo já passou por inúmeras crises e aqueles que mantiveram a cabeça no lugar e o ânimo, apesar de tudo, sobreviveram.

Por conta disso, ainda que você consiga relaxar e dar tempo ao tempo, você não pode se distanciar da profissão tampouco ignorar a crise, afinal, as contas continuam chegando e o dinheiro é algo que não se multiplica sem a contrapartida do estímulo, quer pelo trabalho, quer pela aplicação correta do excedente, quando possível.

Conclusão: você precisa retornar ao mercado de trabalho o mais rápido que puder, a menos que esteja pensando em abrir um negócio por conta própria, o que, em muitos casos, pode ser a melhor opção. Se esse for o seu desejo, mude radicalmente a sua estratégia e comece a pensar como empreendedor.

Para facilitar a vida de quem se encontra em situação semelhante, aqui vão algumas dicas que considero úteis para acelerar o processo de retorno ao mercado de trabalho. Deram certo comigo, entretanto, devo lembrar que cada um tem uma história e isso é algo que ninguém pode mudar, a não ser a própria pessoa.

• Nada de ficar em casa esperando a morte chegar, remoendo o fato e tentando entender o motivo; isso provoca insegurança na família; não existe razão, existe o fato consumado, portanto, erga a cabeça e encare mais um dos inúmeros obstáculos que ainda terá pela frente nos próximos 50 anos;

• Prepare o currículo, selecione as empresas que valem a pena arriscar o contato e, dentro do possível, entregue-o pessoalmente, ainda mais se você tiver um conhecido na empresa; o ditado ainda vale: quem não é visto não é lembrado;

• Levante cedo, reflita, concentre-se, leia tudo o que puder a respeito das novas oportunidades no mercado de trabalho; nossa mente é incrível e vai processando as informações de maneira proporcional ao nosso esforço; você nunca sabe de onde pode vir uma luz;

• Utilize o networking a seu favor; eu fui demitido numa segunda-feira pela manhã; de tarde chorei um pouco, pensei na vida e fiquei com a família; de terça a sexta eu visitei 32 empresas do meu círculo de relacionamento; dentre elas havia empresas de clientes, de amigos e de fornecedores da empresa onde eu trabalhava; eu me apresentava como alguém “disponível para novos desafios”;

• Utilize a Internet e o correio eletrônico a seu favor; tenha sua própria lista de e-mails, dispare alguns de vez em quando, exceto aquelas correntes de anjinhos que servem mais para tomar o tempo dos seus amigos do que para ajudá-los a lembrar que você está à procura de emprego;

• Pense no que você quer realmente fazer; em geral, todos querem sobreviver, mas se você tiver foco, será mais efetivo e desperdiçará menos energia; não adianta atirar o currículo para todos os lados – Comercial, Financeiro, RH, Logística, Produção – ou seja, o que vier eu aceito; as empresas precisam cada vez mais de especialistas.

Pense nisso e seja feliz!

Share on FacebookTweet about this on TwitterShare on Google+Share on LinkedIn

Comente

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *