A arte do desapego

Share on FacebookTweet about this on TwitterShare on Google+Share on LinkedIn

De quantos milhões você precisa para sobreviver? De quantas casas, carros, joias, contas bancárias, cartões de crédito, celulares e outros bens dos quais milhares de pessoas não conseguem abrir mão? Vale a pena acumular bens, títulos, cargos e honrarias ao longo de uma vida inteira?

Quanto desperdício de energia vital, diria Sócrates, filósofo da Grécia Antiga, se vivesse nos dias de hoje.  São necessárias milhares de horas de trabalho para sustentar as intermináveis carências do ser humano.  Na prática, será que precisamos de tudo isso para viver relativamente bem?

Minha profissão requer o envolvimento com diferentes tipos de pessoas, de diferentes empresas em diferentes cargos. Não há como fugir da necessidade constante de lidar com pessoas e reposicioná-las sempre que necessário em processos de mudança e reestruturação organizacional.

desapego

Por mais profissional que você tente parecer, todo processo de mudança é doloroso. Na maioria dos casos, lidamos com emoções o tempo todo e, por experiência, posso afirmar que são poucos os que conseguem aceitar as mudanças com o profissionalismo necessário para evitar a resistência e facilitar a transição.

Muitas pessoas não entendem o rito de passagem. Ninguém é dono do cargo, da função, do crachá ou do posto que ocupa, temporariamente, por mais comprometido que seja. Posições são transitórias, organizações e líderes também, motivo pelo qual a resistência e o excessivo apego ao cargo em nada contribuem para o crescimento pessoal e profissional do ser humano.

Em geral, as pessoas preferem o cargo ao emprego, a morte à simplicidade. É duro chegar ao topo, entretanto, mais difícil ainda é manter-se nele, motivo pelo qual o desapego é um desafio constante. Preparamo-nos para subir, nunca para descer, mas, por vezes, o processo é inevitável.

Quando as únicas coisas que nos movem são o cargo, o dinheiro, a posição social, os carros e os bens acumulados, tem algo de errado conosco. Tudo isso é um meio e não um fim. Além do mais, quando o ter é mais importante que o ser, o sofrimento é maior.

Senti isso na pele há oito anos quando fui demitido de uma grande empresa. Eu ocupava um cargo de confiança, importante até onde eu imaginava, mas, de um dia para o outro, o cargo foi extinto com a mesma facilidade com a qual eu fui demitido.

Nesse momento, o mundo desaba e, num estalar de dedos, você não tem mais cargo nem salário nem crachá. É como se lhe tirassem o chão e, logo abaixo, houvesse um poço de jacarés famintos. Quando existe apego em excesso, o recomeço é uma batalha consigo mesmo. Você não é mais diretor nem gerente nem sequer aquele simples assistente dedicado.

Por essas e outras razões, para muitos, somente a dor e a reflexão são capazes de fazê-los amadurecer e repensar certos valores equivocados que, quando adotados, acabam afastando as pessoas da missão (vocação) original. Quanto maior o apego, maior a frustração.

É bom ser abastado, ter dinheiro, ocupar cargos importantes, ser valorizado pela sociedade, mas isso não pode ser garantido para todos durante o tempo todo. O que ignoramos por completo representa bem mais para a sociedade: pobreza extrema, sustentabilidade do planeta, violência generalizada.

O desapego é uma arte que não se aprende da noite para o dia. Exige experiência, amadurecimento, força de vontade, paz de espírito. Todas as coisas são efêmeras, dizia o Fernando Pessoa.

Por experiência comprovada, posso afirmar que, muito mais importante do que ocupar uma posição de destaque na sociedade, é trabalhar com afinco para viver com dignidade e transformar o mundo num lugar mais digno para se viver.

Se isto não for suficiente para reflexão, lembre-se das palavras de Sócrates, filósofo grego, ao passear por uma feira de supérfluos naquela época: “Quantas coisas sem as quais posso viver tranquilamente”.

Pense nisso e seja feliz!

Share on FacebookTweet about this on TwitterShare on Google+Share on LinkedIn
2 Comments

Comente

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *